segunda-feira, 16 de julho de 2012

O PEREGRINO


Ele vinha cabisbaixo e empoeirado seguindo no seu caminho de peregrinação.Sabia que tinha que pagar aquela dita promessa .Joaquim nunca tivera nada de seu, que não fosse a sua palavra empenhada. Andava velho, manco e cansado. Não vivia com grandes alegrias porém respirava e tinha que ser grato por isso.É verdade que podia ter também uma vidinha um pouco melhor, por instantes um breve sorriso aflora seu rosto enrugado. Ultimamente o homem se questionava muito.Se pudesse ser diferente, ele seria._Uma chance de mudança seria ótimo.Rir de seus repentes de vontade era uma constante e quem o visse assim se rindo atoa, todo arqueado, acharia que certamente se tratava de um maluco. E mais o sujeito pensava, mais ele ria...É claro que não no caminho de Santiago de compostela, pois ali se encontrava toda espécie de doidos...eram bruxos e bruxas para todos os gostos._Que gente esquisita! E joaquim se ria de novo da propria observação.

Fazia já uma semana que começara a acaminhada, a mulher nem quis saber de promessa coisa nenhuma.- Não fui eu a prometer qualquer coisa, vai voce e manda lembrança para a tua santa. Ele andava aos frangalhos e não se aguentava mais...Sentou-se a beira da estrada para beber água que carregava em seu bornal e descansar um bocadinho...Quando já levantava-se percebe um reflexo  de metal entre as pedras ,remexendo com o cajado descobre uma velha lamparina. Foi toca-la com as mãos que dela saiu um genio...-Ai homem de Deus que tu quase me mata de susto!!!
-Quem não esperava mais encontrar alguém por aqui era eu, respondeu-lhe o genio com cara de poucos amigos, mas já que estamos os dois aqui, diz logo teus desejos para cada um de nós possa voltar para suas vidinhas "bestas".
-Que foi. Está com pressa?
-Não estou, sou imortal e o tempo para mim demora a passar ...É que voces humanos, são cansativos e chatos.
-É mesmo genio! Me conte mais sobre isso... Temos tempo ainda e quero mesmo companhia.
E assim foi...
-Podes fazer seus pedidos quando quiser.
-Vou pensar
-Vai pensar o que!? Estás velho, se demorar, vai morrer.Voces humanos só pedem a mesma coisa sempre. Fama, fortuna e mulheres e voce a esta altura já viveu muito, portanto se apresse.
-Por isso é que preciso pensar...Não quero mulheres, só quero uma que me queira. Não quero a fama mas sim, ser novamente jovem para me livrar das dores. Que mulher quererá um velhote que não dá no "couro"?
-Queres de volta a tua velha ou queres outra?
-Até queria a minha mesmo mas, ela nem quer saber de mim, faz tempo. Me dá outra boinha, faz favor.E quero um dinheiro também para não precisar mais me preocupar  com trocados, só para ter boa casa, um carrinho de passeio, uma criação, viajar quando chegar as férias etc etc...
Por vezes o velho especulava-o.-Quantos anos tem genio?
-Muitos e logo me livro desta lampada...Só eu fazer aniversário de 3mil anos.
-Não entendi.
-Isso de realizar desejos é uma condição...Ao cabo de 3mil anos nos libertamos.
-Tens que realizar  quantos desejos?
-Quantos aparecerem...tres cada vez.
-Alguma vez voce não conseguiu cumprir  os tres?
-Uma vez, disse o genio pensativo, porém ainda tenho tempo até meu aniversário vou ter de  achar uma solução para esta "pendencia".
-Está me dizendo que uma pessoa não quis os pedidos?!
-Sim. Ela era uma menina interessante, tempos dificeis aqueles...
-Interssante como? conte -me faz favor.
-Havia uma grande guerra na terra dos homens, quando ela me encontrou no meio dos escombros. Já havia visto outras guerras, presenciado catástrofes mas esta era diferente.
Me lembro que ela arregalou os olhos quando me viu e quando lhe falei de realizar seus desejos então ,me pegou pela mão e me levou até um casarão enorme e escuro, que num primeiro momento parecia um total deserto....Ela olhou em volta para certificar-se que ninguém nos seguira e assobiou em seguida, e no escuro mesmo fui percebendo movimentos e quando dei por mim estava rodeado de crianças...Ela pediu-me para esperar mais um pouco e sumiu trazendo outro tanto de pequenos, nunca havia visto tantos juntos. Depois de algum tempo ela veio para mim e disse em voz baixa:
-Quero que todas as crianças aqui presentes nunca mais passem fome novamente.
Foi a  aprimeira vez que alguém pediu algo que não somente para si. Pensando agora, acho que ela nem se achava criança.
-Ela nunca mais pediu nada para voce, e voce ficou por perto a vida toda esperando ela pedir? O genio parecia nem ter-lhe ouvido e continuou.
-Ela era moça já, e se apaixonou por um rapaz que não a quis, que idiota. Disse-lhe que podia faze-lo querer ela...Ela não deixou, se ele não a amava era de verdade aquilo, então não adiataria enfeitiça-lo, seria mentira.
Ela foi ficando velha e eu disse-lhe que se quisesse poderia ter juventude, era só pedir...Ela não quis, disse que morrer em certos momentos da vida era dádiva.
E no dia que ela morreu...Disse-lhe que poderia ser eterna..Se ela não fizesse seus dois desejos agora, eu não seria livre quando chegasse a hora...Ela olhou-me com um sorriso e disse:
-Foste tudo para mim nesta vida.Achas que poderia eu desejar mais o que? Faça voce meu querido, os pedidos por mim.
Joaquim reparou no olhar pensativo do genio.Seria possivel um geno apaixonado!
Então está feito. Disse o genio quando acabou a peregrinação..Tudo isso tem preço, para conseguir manter o que pediste tens que fazer algo ..Terá de aprender a ver as pessoas a tua volta, ler livros, e fazer algo pelo teu semelhante...
E o velho escutava atento.
...Do contrário serás jovem e bonito por fora e velho, triste e feio por dentro...Vou agora mas, se precisar de ajuda me liga neste número qualquer dia, menos na terça que tenho dentista.
O genio matreiro sabia que ninguém lhe procurava mais depois dos desejos atendidos mas, gostava de brincar com as possibilidades.
Joaquim voltou para casa e teve sua mansão e deu vida boa para a mulher velha que continuava a não quere-lo.Um vez ela percebendo que o marido ficava mais jovem a cada dia e não dava conta da organização da casa sentiu-se cansada, então pediu para dar-lhe o divórcio, arrumou suas coisinhas e foi viver no interior mas, não sem antes arrumar-lhe uma boa cozinheira.Uma moça simples, jovem e boa de serviço.Não demorou muito para joaquim cair de amores pela jovem e ela parecia corresponde-lo.
E a vida foi correndo bem para o velho moço...Ele aprendeu a conversar com todos, começou a ler os livros, aprender idiomas, construir coisas ... Aos poucos foi percebendo em sua volta o que nunca havia notado!
Passou o tempo e Joaquim queria viajar...Andava inquieto que até sua mulher nova  pressentia...Ela era apaixonada por ele mas, adorava cuidar da casa.
-Quer viajar viaje mas, volte para a casa e para mim.Não sairei do lugar, prometo.
Joaquim  pegou no baú um cartão de telefone que havia  guardado há meses...Que dia é hoje? Quarta-feira...
Alo genio, lembra de mim!Tenho uma proposta vantajosa aqui...Voce já resolveu aquela questão de pendencia dos pedidos? -Não.
-Então eu sei como vais  resolver isso.
Como já  gastei meus pedidos todos, proponho uma troca...Quero viajar pelo mundo e gostaria que fosse meu companheiro de viagem, ninguém melhor que voce conhece o mundo e em troca te livro da sua pendencia.O genio escutava calado enquanto Joaquim continuava.
Arrumo tudo e saimos amanhã ao nascer do sol... Voltaremos para casa a tempo de comemorar  seu aniversário, que acha?
O genio sabia que se havia possibilidade de se safar da famosa pendencia, seria este homem que o ajudaria. E curvando-se levemente, ele disse:

-Será um prazer acompanha-lo na sua nova jornada sábio.
-Amigo, chama-me de amigo.
E de novo Joaquim saiu pelo mundo, e agora era com um outro olhar.
Tanta gente, tantas linguas e um amigo para partilhar.
Passaram os meses e quando de volta ao lar foram recebidos com festa e alegria.
No fim do dia...
Bem meu genio companheiro...Hora da minha paga.
Hoje completas teus 3mil anos...Tens dois pedidos pendentes.
O seu pedido será trazer a tua amiga de volta a vida.
Voce vai contar a ela a verdade sobre tua libertação e dizer também dos teus sentimentos reais para com ela.
-E o terceiro pedido?
-Deixe que ela se encarregue do último pedido. Seja bem feliz com mulher que tu ama meu amigo.
E de repente, o genio o fitou com um olhar diferente.
******************************Fim*******************************


segunda-feira, 9 de julho de 2012

O Fantasma...Por Dreamstime Bia e Hilda Milk


_Dizer que eles existem de certeza, seria um tanto quando prematuro já que vivemos  dentro de uma escala onde só a massa corpórea vale e ainda temos vidinha breve dentro da mesma.
As igrejas pregam o céu e o inferno então se almas existem...
Lembro-me uma casa antiga que havia no morro de Santa Teresa. Diziam que esta era datada do tempo do império e era casa de escravos, os moradores costumavam dizer que algumas noites quando se passava perto das ruinas abandonadas podia se ouvir o barulho das correntes sendo arrastadas. Aquilo me arrepiava... Existem também ruinas nas missões jesuitas no interior do Rio Grande Do Sul  e é comum as pessoas sentirem a presença mística do lugar. De minha parte só posso garantir que não estamos sós, agora quem anda conosco, isso eu não sei.
Este é seu Chico, um velhote esperto e muito bem quisto por todos na comunidade. Adora contar suas histórias e podiamos conversar com ele até altas horas e nunca faltava assunto.
Ele nos contava fatos incríveis.Quando cresci fui estudar na capital e me lembro que do Seu Chico eu sentia mesmo muita falta. Quando chegava as férias  encontravamo-nos todos de volta na nossa vila e corríamos visitiar seu Chico.
_Mas, naquele ano, seu Chico não estava lá, e diziam, na vila, que virara fantasma, porque ninguém nunca mais vira seu corpo, mas a brisa da  noite trazia murmúrios que faziam lembrar a voz gasta do velho contando, em surdina, histórias do além.
_No dia do aniversario dele iamos em sua casa sem sermos convidados e quem ganhava presente eramos nós. A mulher, dona Mariana, fazia um pão de panela muito bom! Eles não tinham filhos acho que por isso gostavam tanto de nos reunir todos a sua volta.
_E desta vez não foi diferente: mau grado a tristeza em que dona Mariana andava, morrendo de saudade do velho companheiro, lá estava à nossa espera o pão de panela quentinho, tão apetitoso quanto a nossa memória nos permitia recordar.
E então quem começou a contar a história foi eu...
Depois que construiram a nova ponte que liga a ilha ao continente a balsa foi aposentada e com ela o balseiro Manuel, também foi dispensado.
Era um velho entrado em dias que tinha por compania seu cão.Com o movimento de seu trabalho sempre tinha com quem conversar.Agora sem atividade o homem ficara solitário em sua casinha modesta ali mesmo, na velha balsa que ia e vinha todos os dias.
Não foi surpresa quando um dia por acaso ele foi encontrado morto em sua cama e segundo o médico legista, ele havia morrido há dias.
A casa da balsa virou ruinas e foi de vez abandonada.
passados ums seis meses, as coisas começaram a mudar gradativamente.
os pescadores que de vez enquando passavam por lá  foram percebendo barulhos estranhos.
pensavam que podiam ser um passante que resolveu se abotelar por lá  por um dia ou dois.
Era uma cidade pequena e todos se conheciam. Vadios apareciam, e se iam em seguida.
Uma tarde aquela senhora estranha  apareceu no armazém.Ninguém nunca havia visto ela por ali.
O dono da venda surpreso correu comprimenta-la  e se prontificando a servi-la, fez  as perguntas de praxe:
_Precisa que entregue suas compras senhora?
Respondendo que não ela simplesmente pagou suas sacolas e se foi em direção ao rio.
Ia acompanhada de um cão.Era o cão do Manuel!
_Sim, era o cão do falecido Manuel.
Quando ficaram sabendo que havia alguém morando na balsa, ficaram curiosos e foram mais que depressa tirar satisfação com aquela invasora. Era interessante a atitude protetora daquele cão para com ela.
O cachorro tinha sido do Manuel desde que nascera e estava ali naquele momento, pronto para atacar se preciso fosse, para defender a estranha.
Seria ela alguma parenta do velho Manuel!Pouco provavel pois ele vivera anos ali e nunca ninguém de fora o visitava.
_Ola senhora.Que fazes na casa da balsa? A mulher olha calmamente para os curiosos e diz:
Entrem que explico tudo com calma para todos...Entraram e sentaram onde dava naquela simplória choupana...A mulher tinha uma água quente e serviu-lhes chá e foi contando...
Sou de uma cidadezinha do norte e perdi tudo que tinha numa grande enchente há seis meses e como sou sozinha no mundo o governo achou que não era prioridade me ajudar a recosntruir minha casa. A opção que eu tinha era ir para casa de algum familiar estranho ou ir para um abrigo destes de gente triste e solitária.Então pensei...Já que não tenho mais casa, posso viver em qualquer lugar.Peguei o que me restava de bens e sai a andar pelo mundo...E foi andando que cheguei aqui.
Abismados eles percebem que a mulher não é tão jovem quanto parecia e um pergunta-lhe
_Como a senhora chegou a esta balsa!
_Foi curioso isso...Eu parei no meio daquela ponte a ver os raios de sol da tardinha refletindo na água,era muito bonito,sabe. Por um momento eu senti uma tonteira, e sem ter onde me segurar direito eu cai no rio e ia me afogando mesmo quando senti algo me puxando já era noite quando me vi na margem e tinha este cachorro me lambendo a cara.
Ele latia muito e era tão incistente que me obriguei, com dificuldade, a levantar e segui-lo e viemos parar aqui nesta casa.
Quando entrei tinha um senhor que nos esperava com fogo e uma caneca de chá quente..Me lembro que ele me ajudou a despir a roupa molhada e me fez beber o chá e cobriu-me com cobertores que me pareciam mais um amor de mãe. Podia mesmo estar morta aquela hora que não me importava. Dormi muito e quando acordei não o vi mais por vários dias, só não pensava mais que havia sido um sonho porque estava ali onde me vi, na casa da balsa.
Fui ficando porque  ninguém veio reclamar propriedade e por ser tranquilo.E o tal senhor de vez em quando aparece.Ele fica pescando calado lá na ponta da balsa.Eu faço chá, levo e faço-lhe companhia
Os ouvintes atentos
_A senhora sabe o nome do tal homem?
_Ele não disse alias, ele nem fala...Só vem pescar e acaba deixando o peixe que pesca para mim.
Que diabo é isso!!!Quem seria o tal sujeito?
A balsa está abandonada faz tempo e o dono morreu aqui esquecido pelo mundo.Quando o encontramos mal conseguimos juntar-lhe a carcaça para dar-lhe um enterro decente.
_Olha que este senhor não está morto, tenho certeza! Um dia quando ele vier eu peço para irmos até a cidade e voces o verão.
Permitiram que ela ficasse na cabana pois estava limpa e cheirosa. O velho Manuel devia ter arrumado mulher em vida, teria tido vida muito melhor que de ermitão.
Aquela senhora morou muitos anos ali...Até fez um jardim em volta da prainha onde estacionava a balsa.
A mulher nunca  levou o tal sujeito a cidade para vermos. Alguns diziam que era mentira aquela história, outros porém diziam que ela descreveu direitinho o velho Manuel.Tantos mistérios cercam-nos que sempre pairam dúvidas, vai saber.
Dona Mariana deu um leve riso e disse:
_Aprendeste com chico  a contar estas histórias garoto!
Emocionado, acenei que sim.
_Fantasma ou não, ele sempre estará conosco...É por isso que os fantasmas existem. Porque os amamamos e não queremos que sejam esquecidos. Muito obrigada por vir festejar comigo o aniversario do meu Chico.
Depois de trocas de comprimentos e abraços fraternos fomos todos para nossas respectivas casas.E antes de dormir eu pensei:
_Danado do seu chico, não é que ele estava lá o tempo todo!

***************************Fim************************************
Ilustração do pintor  Gil Pery


segunda-feira, 2 de julho de 2012

Viagem Pelo Desconhecido...Manuel Carlos Aguilar

A Viagem Pelo Desconhecido

Entrei no C H C B no dia 4 /1 /2012 com indicações médicas para fazer uma cirurgia de nome DACRIOCISTORRINOSTOMIA: depois de responder a um pequeno questionário sobre doenças existentes e medicamentos tomados, fui encaminhado para uma enfermaria de nome »Especialidades Cirúrgicas«: aí, fui instalado numa cama suplementar onde permaneci ocupando o tempo com um livro que tentei reler, »Planície de Espelhos« de Gabriel Magalhães, a dificuldade estava em me abstrair dos ruídos circundantes: não li mais que três ou quatro páginas. (No momento em que narro esta pequena história ainda estou bastante tonto da anestesia geral, pelo que hoje vou ficar por aqui).
  Estava numa enfermaria com mais quatro doentes, dois velhinhos, um jovem de 30 anos que passava o tempo no seu Ipad e consola de jogos e um motorista de longo curso que se distraia conversando; três deles iriam ser operados no dia seguinte a cataratas nos olhos, eu à tal DACRIO....................:
 a noite chegou e para quem estava habituado a dormir pelas 2horas da madrugada não foi fácil adormecer num ambiente estranho.
  Acordo em sobressalto pelas 6:30 h quando uma enfermeira acende as luzes e começa o ritual de preparação para as cirurgias; irradiando simpatia, a enfermeira começa por cortar as pestanas aos colegas, aproxima-se e enquanto me corta as minhas lindas pestanas, comenta.
Mais um pestanudo, se as minhas fossem assim não precisava de as alongar com rímel. Replico
- lá se vai o que resta dos meus lindos olhos!
 Chega o médico; faz um breve exame e diz: - então, estamos prontos para tirar essa coisa!
 - Estou pronto.
  Breves minutos depois senti-me a navegar por corredores e elevadores com os olhos abertos para um céu de luzes opacas até chegar a uma sala em penumbra e fria; aí transferiram-me para uma mesa de cor verde escuro e muito dura, mais uma mudança, desta vez para aquela que seria a mesa de operações; entro numa espécie de sarcófago, lanço os olhos em redor, apenas vejo paredes em mármore cinzento escuro e aparelhos em volta, por cima as lâmpadas projetoras estavam ainda em modo de standby.
 - Então, está bem disposto? - Pergunta uma simpática enfermeira ou médica, - o que é que faz na sua vida!? Nós somos muito curiosas. (Haverá alguma mulher que não seja)! - Não tenha medo, vai correr tudo bem, diziam enquanto me colavam todo o tipo de sondas no peito, dedos e cérebro. neste momento já estava sob o efeito de sedativos e tudo aceitava com normalidade. Uma voz de homem fala em tom suave, - vai adormecer: sinto um liquido entrando por uma veia da mão esquerda como se fosse fogo penetrando.... entro na terra do nada................................................................................................................................................

 Acorde, correu tudo bem, foi a primeira voz que ouvi. - Então, sente-se bem? Tenho fome , quero comer, respondi ainda atordoado pela anestesia. (Que longa já vai esta história; poucos terão a paciência de a ler)! Tinham passado cerca de 4 horas em que a morte da dor se tinha apoderado do meu corpo.

 Eis uma nova viagem alucinante de retorno à enfermaria; adormeço e acordo com a visita dos meus familiares por volta das 16:30 h.
 No dia seguinte estou em casa em convalescença.
++++++++++++++++++Fim++++++++++++++++++++++++++++++
Este conto tem ilustrações do artista  Gil Pery.:-)