quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Anita Foi Ao Baile.

Numa noite de sábado Anita resolveu ir ao baile e ao sair de casa disse a mãe.-Hoje arrumo um homem para mim, por favor não me esperem acordados.Os pais se olharam calados, a filha devia mesmo arrumar alguém pois era tão boa moça, ótima filha e prendada e bonita também.-Porque não! E Anita realmente não voltou aquela noite e nem no dia seguinte...
Já era domingo de noitinha, os pais da moça aflitos e cansados ligar em seu celular, foram até a delegacia mais próxima, denunciar seu desaparecimento. Depois do relato o celular da mãe toca e uma voz estranha do outro lado diz:
-Anita está hospitalizada, pois sofreu um acidente e foi socorrida por um caminhoneiroque a trouxe para cá ontem a noite por volta das 22h.
Afinal então...Anita nem chegou ir ao tal baile.
Anita andava triste e com baixa auto estima. Achar um homem não era tarefa fácil e depois de todo o tempo que teria que ficar imobilizada, por conta das escoriações e costelas quebradas. Seu desanimo era evidente.Sua mãe a consolava dizendo amorosamente:
-Aguarda e confia filha, a vida sempre reserva surpresas.
-Qual o que mãe! Olha para a mim aqui toda estropiada. E eu não morri por pura sorte.
-Vira a boca para lá menina! Ralhava a mãe.
Sua mãe estava preocupada com seu estado.Então de pronto disse-lhe:
Quando voce poder levantar, te levo pessoalmente até a porta daquele baile idiota, está bem assim para voce?
Anita olhou incrédula para a mãe por alguns instantes e aseguir explodiu numa risada.
-Sabia que voce é melhor mãe do mundo!!
-Claro que sabia.E depois de beijar a filha, saiu do quarto fechando a porta.
-Tenho que dar um jeito nisso. Ela ficou a matutar...
A noite ao deitar a mãe diz ao marido:
-Ela está beirando aos trinta, é bonita inteligente e sociável.
-E daí...Acha que só as feias e burras não arrumam marido? Percebendo a seriedade da esposa, ele pondera...
-Olha querida, pensa pelo lado bom da situação. Ela é totalmente livre, mora conosco, não tem preocupação com casa, contas, pode viajar quando dá vontade.
-Sim meu bem porém, ser livre consiste em escolhas e ela quer um homem agora.
-Já imaginou nós dizendo isso a nossos pais quarenta anos atrás! Parecemos tão velhos e ultrapassados agora.
-Os tempos mudaram, é verdade mas ainda continuamos os mesmos, com algum entendimento a mais , eu espero.
Anita tem tudo que uma mulher moderna tem...disse o pai.
-Mas não tem mesmo! Retrucou a mãe.
-Nós dois quando tinhamos a idade dela, eramos pais já.E os bens materiais fomos adquirindo com o tempo, enquanto os criávamos.
-O que voce sugere então.Respondeu ele sem paciencia já.
-Sei lá, só estava trocando ideia com voce. Deixe estar...Boa noite.
Isabel e Gusmão estavam casados há tanto tempo que por vezes nem se notavam mais...E ter assunto era sempre uma tentativa de aproximação da parte dela.
É estranho como com o passar dos anos as palavras somem, e quando aparecem causam alguns inconvenientes naquilo que parece tão harmonioso e entediante.
Agora Isabel queria ajudar a filha.-Talvez  Anita consiga o que não consegui.
Com assistencia de enfermeiro em casa, Anita se recuperou logo.E foi com grande animação que retomou suas atividades corriqueiras. Era estranho afirmar mas, parece que depois do acidente e todo o tempo acamada ela parecia uma outra pessoa agora.
Os colegas vieram visita-la, amigos que há muito não via apareceram, recebia flores com votos de pronto restabelecimentos.Tinha boas conversas com o fisioterapeuta...
Quando chegou o sábado, como havia prometido Isabel levou a filha até a porta do baile.
Ela parecia uma garotinha de tão nervosa...
-Relaxe e se diverte filha, a vida não deve ser levada a ferro e fogo. Venho te buscar as tres horas e se tiver muito chato voce liga que venho antes ok.
Acenando que sim  Anita sobe as escadarias do clube, devagar...
 De madrugada o telefone toca.-Mãe não precisa me buscar ,descanse que encontrei amigos e eles me deixam em casa que fica no caminho...
-Correu tudo bem filha?
-Sim, foi bem divertido...Dorme que nos falamos de manhã, beijo.
Isabel vira para o canto  e sorrindo torna a dormir .
Finalmente, Anita foi ao Baile.


7 comentários:

  1. Deliciosa narrativa. Virei mais vezes, prometo! :)

    ResponderExcluir
  2. Excelente narrativa, a fazer-me lembrar uma Cinderela, que no caso, não perdeu sapato algum. :)
    Verdade ou ficção?

    ResponderExcluir
  3. Magnifico conto!
    E...
    Era o baile o seo almejo,
    e fonte do seu desejo,
    e como qual Cinderela,
    nele encontrar o amor dela.

    ResponderExcluir
  4. Magnífico Conto!
    E...
    Era o baile o seu almejo,
    fonte de amor e desejo.
    E como qual Cinderela,
    nele encontrar o amor dela.

    ResponderExcluir
  5. Conto magnífico!
    E...
    Era o baile, o seu almejo,
    Fonte de Amor e Desejo.
    E como qual Cinderela,
    nele encontrar o amor dela.
    José Loureiro

    ResponderExcluir
  6. Obrigada por suas palavras José Loureiro.:-))

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De nada, cara amiga!
      Foi um prazer ler o seu conto.

      Excluir